Matosinhos - Mapa dos locais com panoramicas 360º
Durante toda a sua história, Matosinhos esteve ligado ao mosteiro de Bouças, que será bastante antigo, sendo a sua construção anterior a 944. No ano de 900 já existia uma pequena povoação com o nome de Matesinus que em 1258 se chamaria Matusiny, um lugar da freguesia de Sandim. D. Manuel I concedeu-lhe foral em 30 de Setembro de 1514 e passou a pertencer ao concelho de Bouças em 1833, tendo como sede a vila de Bouças, até 1836 designada Senhora da Hora. Até ao liberalismo constituía o Julgado de Bouças.
Em 1853 foi criada a vila de Matosinhos, constituída pela freguesia do mesmo nome e pela freguesia de Leça da Palmeira, que passou a sede do concelho em substituição de Bouças. Em 1867 é finalmente criado o concelho de Matosinhos, mas que acaba por desaparecer vinte dias depois voltando a ter sede em Bouças. Dado que Matosinhos já se figurava como um lugar mais importante em 6 de Maio de 1909 é criado o concelho de Matosinhos que existe nos nossos dias. Foi elevada a cidade a 28 de Junho de 1984.
Matosinhos

Edificio projectado pelo ArqºAlcino Soutinho entre 1981 e 1986

CASA DA ARQUITECTURA E CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO SIZA VIEIRA

Trata-se de um edificio residencial do séc XIX, pertenceu à família Siza Vieira entre 1949 e 2007, data em que foi adquirida pelo Municipio de Matosinhos. Restaurada em 1961 pelo Arqº Siza Vieira, foi restructurada em 2008-2009 para receber as suas novas funções : Casa da Arquitectura e Centro de Documentação Alvaro Siza.

PISCINA DAS MARÉS : Projecto do Arqº Siza Vieira 1961-66

A historia deste projecto inicia-se em Novembro de 1959, quando o Municipio de Matosinhos pede à constructora Ribeiro da Silva lda. um estudo de viabilidade para a construção de uma piscina na praia de Leça. O seu nome vem do facto que o plano original era o de criar uma piscina com aspecto natural, integrada nas rochas, e que fosse abastecida por água do mar. Eng° Bernardo Ferrão, irmão do Arqº Fernando Távora, decide a localização da piscina num lugar chamado "meia laranja" onde as rochas formavam um lago natural, a construção de uma piscina com 20x33m. É Siza Vieira na altura com 26 anos de idade, que propõe uma piscina natural rodeada de rochas, e não de muros. A piscina que actualmente vemos é fruto do meio termo entre o tanque de Bernardo Ferrão e do lago de Siza Vieira. Questões relacionadas com a necessidade de tratamento da água, topograficas e de custos, resultou na actual piscina das marés de Leça.




MERCADO MUNICIPAL

A construção do atual mercado de Matosinhos veio na sequência da falta de condições e de capacidade do anterior equipamento. Construído em 1884, e apesar de uma grande remodelação em 1928, o mercado continuava a apresentar condições deficitárias. Assim, o edifício foi demolido. A abertura do concurso de ideias para o mercado avançou em 1936. Luís José Oliveira, estudioso na construção civil, na década de 40, concorreu à construção do Mercado Municipal de Matosinhos, um arrojado edifício desenhado pelo escritório de arquitetos ARS- Arquitetos Reunidos, com escritórios na Praça da Liberdade, no Porto, do qual faziam parte os Arquitetos Cunha Leão, Morais Soares e Fortunato Cabral.


MOSTEIRO DE LEÇA DO BALIO

Reconstituição do Casamento de D.Fernando com D.Leonor de Teles. Monumento medieval o Mosteiro de Leça do Balio resultou da ampliação de uma antiga edificação e que viria a ser a primitiva sede em Portugal da ordem dos Cavaleiros Hospitalários.


CASA DO RIBEIRINHO

Construída ao longo dos Séculos XVIII, XIX e XX, a Casa do Ribeirinho é um dos espaços mais antigos da cidade de Matosinhos. Entre os registos mais antigos até agora encontrados constam documentos de 1778 referentes à construção da Capela, num contrato celebrado entre António Bernardo Álvares de Brito e o Mestre Pedreiro António Francisco dos Santos. No lugar da Capela existia anteriormente a Igreja de Santo António, demolida para no seu lugar nascer a Capela da Casa dos Brito e Cunha, sob invocação de Nossa Senhora da Piedade e Santo António.

IGREJA DO BOM JESUS DE MATOSINHOS

Erigida no século XVI, a mando da Universidade de Coimbra que desde 1542 possuía o padroado de "Sam Salvador de Bouças", a actual igreja de Matosinhos veio substituir um velho e arruinado templo até aí, no lugar de Bouças - local onde, na Idade média, existira um mosteiro.
A obra de construção do novo templo, renascentista, foi entregue, em 1559, a um célebre imaginário/arquitecto de então: Jean de Rouen. o prazo inicialmente previsto para a construção foi de quatro anos. Demorou vinte. E na fase final da edificação, entre 1576 e 1579, um outro famoso artista da época, Tomé Velho, juntou-se a Jean de Rouen. Em 1743, o Arquitecto italiano Nicolau Nasoni, projectou as alterações desta igreja, das quais a mais visivel é a sua actual fachada, estilo Barroco de desenvolvimento horizontal.



Senhor do Padrão

Localizado no sítio do Espinheiro, junto ao molhe sul de Leixões ergue-se o monumento do senhor do Padrão ou o senhor da areia, assim chamado por ter sido ali segundo a tradição que deu à costa a imagem de Cristo crucificado. Trata-se de um monumento em granito, com arcos abertos nas quatro faces laterais, albergando um crucifixo ladeado pelos quatro evangelistas. Construido no séc XVIII apresenta características barrocas. Na base da cruz deste verdadeiro padrão da Fé inscreve-se a data de 162 (124 da era cristã) que corresponderia ao achado da imagem incompleta e, no lado oposto, o número 50, referente ao espaço de tempo que, segundo a lenda, demorou a ser encontrado o braço que faltava